Já ouviu falar do termo rotatividade, mas não sabe o que ele significa? Entenda nesse post tudo sobre o turnover e como o crescimento desse índice pode prejudicar a sua empresa.

Conhece a palavra turnover? Bastante utilizado na área de Recursos Humanos, a palavra diz respeito a frequência com que os colaboradores entram e saem da empresa, por diversas razões diferentes.

Esse índice é calculado de acordo com a porcentagem de funcionários que precisam ser substituídos em um curto prazo de tempo e a frequência com que isso ocorre. Quanto maior o índice de turnover, pior é para a sua empresa.

Saber como trabalhar a retenção desses colaboradores é o ponto chave para diminuir os índices de turnover que se encontram em ascensão. A equipe de recursos humanos da empresa precisa ficar atenta, pois a alta rotatividade é um dos indicadores mais importantes que existem e pode significar que a empresa vai mal.

Para que o crescimento da sua empresa não seja comprometido, criamos esse guia com todas as informações que você precisa saber a respeito do turnover. Aprenda a como identificar, calcular e reduzir as taxas de turnover nesse post!

Navegue e saiba tudo sobre turnover e rotatividade

Turnover

O que é turnover? Qual o significado?

O termo “turnover” é uma palavra de origem estrangeira que foi incorporada no vocabulário das equipes de recursos humanos. Pode ser traduzida do inglês como “a virada”. No entanto, seu significado para o RH é algo menos literal: está associado a taxa de rotatividade de colaboradores da empresa. Por rotatividade, nos referimos ao número de contratações e demissões que são feitas sequencialmente em um curto período de tempo.

Diversos são os motivos que podem levar ao crescimento do índice de turnover, como má remuneração, insatisfação com o ambiente de trabalho e até mesmo a falta de infraestrutura. Falaremos deles nos próximos tópicos.

É um conceito que pode ser aplicado de diferentes maneiras: dentro da empresa como um todo ou para calcular a rotatividade de uma equipe dentro da instituição. Uma empresa que não sabe lidar com o crescimento do turnover, seja geral ou nichado, entrará em crise.

Uma coisa que precisa ser deixada clara é que: a retenção de colaboradores é definitivamente mais barata do que continuar contratando novos profissionais com frequência. Os gastos adicionais impactam diretamente no orçamento da empresa e na remuneração de outros colaboradores, o que gera um ciclo que pode culminar em um turnover alto.

Estudar a taxa de rotatividade da empresa deve fazer parte de um processo de gestão proativo e pode resultar em melhorias no negócio.

Por que o índice de rotatividade é importante?

O turnover é algo que pode parecer assustador à princípio, mas se trata de um dos indicadores chave para o desenvolvimento da empresa.

Se a taxa de rotatividade está crescendo, algo de errado está acontecendo com a gestão. Contudo, é justamente graças a esses indicadores que nós podemos identificar os pontos de atenção que precisam ser trabalhados. É dessa forma que eles vêm à tona.

Não estamos dizendo que a taxa de rotatividade precisa ser alta para que medidas comecem a ser tomadas – elas devem ser colocadas em prática antes das taxas atingirem números desagradáveis. O que deve ser colocado em prática é o acompanhamento assíduo dessa taxa e da satisfação geral dos colaboradores. Com isso, a empresa conseguirá entender onde está falhando e quais são os motivos que estão afastando os novos funcionários.

Lembrando que há consequências sérias para empresas que possuem uma alta taxa de turnover e não fazem nada sobre, como a queda do capital da empresa, a falta de domínio sobre os processos internos por parte dos colaboradores e profissionais menos independentes a longo prazo.

Então, frisamos para os gestores: acompanhem os índices de rotatividade!

Existem diferentes tipos de turnover: quais são eles?

Os profissionais que decidem não ficar na sua empresa possuem motivações diferentes para preferir a saída. Cada caso isolado deve ser levado em consideração na hora de se fazer o levantamento das taxas de turnover.

Quais são as causas das demissões na sua empresa no período do último ano? Você consegue fazer esse estudo? Se sim, recomendamos que você separe as causas em alguns grupos que facilitarão a sua compreensão sobre os problemas de rotatividade encontrados na sua empresa. Veja mais sobre eles abaixo:

Turnover Voluntário

Aqui, a demissão acontece a pedido do próprio colaborador. Se um novo colaborador não está feliz e deseja encerrar o contrato, é um mau sinal.

Os gestores precisam ficar atentos para as razões que levaram esses colaboradores a sair da equipe, pois podem indicar uma gestão ineficiente.

O turnover voluntário pode acontecer em diferentes cenários. Nem sempre terá algo a ver com as condições de trabalho da empresa. Alguns dos casos mais comuns são:

  • O recebimento de outras ofertas de trabalho mais convidativas;
  • Comunicação com os gestores dificultada ou a falta de acesso aos setores de administração da empresa;
  • Confusões internas e conflitos envolvendo outros colaboradores;
  • Ambiente de trabalho pouco favorável e com condições que podem causar o desconforto da equipe (a falta de ar-condicionado em ambientes fechados, por exemplo);
  • A falta de oportunidades internas e crescimento profissional.

Para que esses dados sejam utilizados da melhor maneira e as causas reais do turnover sejam identificadas, é importante que o setor de RH faça pesquisas internas e de desligamento. Só assim será possível identificar os pontos fracos da empresa, na visão dos colaboradores.

Turnover Involuntário

Quando quem pede a demissão do colaborador é a gestão, o indicador a ser estudado é o de turnover involuntário.

A demissão dos colaboradores é algo que gera custos para a empresa, assim como prevê a CLT. Os custos não são só financeiros, o tempo dos gestores ficará mais apertado e as equipes continuarão desfalcadas. É um número bem mais preocupante do que o turnover voluntário e deve ser acompanhado com máxima atenção.

Os casos mais comuns de turnover involuntário são:

  • Baixo desempenho ou trabalho insatisfatório;
  • Conflitos internos e discussões com outros colaboradores;
  • Não adequação à cultura organizacional;
  • Quebra de contrato;
  • Corte de gastos da empresa em épocas de crise.

É importante entender qual é a razão por trás de um desligamento do tipo involuntário, pois assim o processo de recrutamento e seleção poderá ser estruturado com mais eficiência pela equipe de RH no futuro.

Turnover funcional e disfuncional

O turnover funcional ocorre de maneira semelhante ao turnover voluntário, mas com uma diferença crucial: é quando o próprio colaborador apresenta um desempenho abaixo do esperado, está frustrado e produzindo pouco e pede demissão.

Esse tipo de indicador é menos preocupante, mas ainda deve ser levado em consideração, pois mostra que o processo seletivo não está encontrando colaboradores tão dedicados quanto deveria.

O turnover disfuncional diz respeito aos profissionais que possuem um bom desempenho e estão cumprindo com as obrigações dentro da empresa, mas decidem se desligar. Como citamos anteriormente, o desligamento voluntário de colaboradores não é bom sinal.

Se bons profissionais estão desistindo de se manter na sua empresa, a imagem dela pode ser prejudicada no mercado, pois ficará conhecida como uma empresa que não acolhe os colaboradores ou não possui uma estrutura que ofereça boas condições de trabalho.

Como calcular a taxa de turnover?

Bom, agora que você já sabe da importância do turnover para a gestão empresarial, é hora de colocar a mão na massa!

Calcular a taxa de turnover é simples e, por isso, deve ser feita com certa periodicidade para que as consequências não cheguem ao ponto de comprometer a operação da empresa.

Existem diversas formas para se calcular o turnover de uma empresa, indo das mais simples até as fórmulas mais complexas. Vamos ao cálculo, então?

Como calcular a taxa de turnover simples

Para obter a taxa de rotatividade, você precisará do número de colaboradores que foram admitidos, os que foram demitidos e o número total de funcionários na empresa. Com esses números reunidos, faça a seguinte conta:

Some o número de colaboradores que foram admitidos com os que foram demitidos e divida por 2. Após isso, divida o resultado pelo número de funcionários totais da empresa e multiplique o valor por 100. O resultado dessa equação é a sua taxa de turnover.

Exemplo prático: a sua empresa contratou 50 funcionários e 26 pediram demissão no mesmo período, sendo que o total de colaboradores da empresa é de 300. A conta ficará assim:

50 + 26 / 2 = 38 / 300 = 0,126 * 100 = 12,6% de turnover

Com essa métrica o setor de RH da sua empresa pode começar a trabalhar em melhorias para os processos de admissão e para o relacionamento geral com os clientes. Mas, existem outras taxas que podem ser úteis para o desenvolvimento da empresa. Vamos aprender sobre elas a seguir.

Como calcular a taxa geral de retenção

Essa outra métrica é ótima para entender o que está dando certo com os colaboradores que se comprometeram a ficar na empresa.

A taxa de retenção nos dá a porcentagem exata de quantos colaboradores permaneceram na empresa desde a contratação.

Para conseguir a taxa geral de retenção, divida o número de colaboradores atual da empresa pelo número de funcionários que existia no começo do período estudado. Após isso, multiplique o valor por 100.

Por exemplo, uma empresa que contava com 120 funcionários deseja saber a taxa de retenção hoje, contando com 108 profissionais no quadro atual. 120 é o número de funcionários do começo do período, 108 é o atual. Logo:

108 / 120 = 0,9 * 100 = 90% de retenção.

Após identificar os números e os indivíduos, entreviste-os para entender o que torna a experiência agradável para eles.

Como calcular a taxa geral de desligamentos

Aqui, acontece justamente o contrário da taxa de retenção, apesar de a fórmula ser praticamente a mesma.

Divida o número de colaboradores que partiram da empresa pelo número de funcionários e multiplique por 100 e você terá a taxa de rotatividade.

Exemplo prático: uma empresa teve 25 empregados desligados, voluntariamente e involuntariamente, de um total de 120 do início do período. Logo:

25 / 120 = 0,2083 * 100 = 20,83% de demissões.

Importante dizer que, quanto maior a taxa de rotatividade, mais preocupante o cenário é para a empresa.

Qual é a taxa de turnover aceitável?

De cara, podemos responder que depende de uma série de fatores. No entanto, há como se basear nas próprias taxas da empresa.

A partir dos cálculos acima, você poderá ter uma noção geral das taxas padrão da empresa e poderá fazer um comparativo mais exato entre os períodos que interessam.

O importante é entender que a taxa de rotatividade não pode crescer e que ações para que ela se mantenha cada vez menor precisam ser tomadas pela equipe de recursos humanos e a gestão da empresa.

Para saber se a taxa de turnover está adequada, leve em consideração períodos específicos de trabalho que demandam contratações adicionais (como uso do trabalho temporário) e o nicho de atuação das equipes. Há atividades que abrem espaço para uma rotatividade maior.

Como interpretar os números obtidos?

Não se engane, nem sempre os números sozinhos irão te trazer as respostas que você precisa. É preciso interpretá-los e adaptá-los para a realidade da sua empresa, sempre buscando entender a motivação tanto das demissões, quanto do “congelamento” do quadro de funcionários.

Podem existir motivos que impeçam os colaboradores de evoluir, mesmo em um quadro em que a retenção está alta. Da mesma forma, algumas demissões podem ser causadas por razões ligadas a própria empresa, como você pôde observar nos tópicos anteriores.

Nesses casos, junto dos cálculos relacionados ao turnover, é importante que entrevistas sejam feitas com os colaboradores para entender a situação da empresa.

O turnover é causado por quais motivos?

Existem diversos fatores que podem causar o aumento da taxa de turnover. Entender quais são é fundamental para que a gestão possa trabalhar desde já e evite perdas importantes no quadro de colaboradores.

Anúncios de vaga mal elaborados

A preocupação com a taxa de turnover deve começar antes mesmo do profissional fazer parte do quadro de funcionários.

Vagas que não foram feitas honestamente e omitem dados podem atrair profissionais que não se adequarão à sua equipe.

Para evitar o trabalho de ter que refazer a contratação e criar um novo anúncio, seja o mais transparente possível nas vagas.

Remuneração abaixo dos valores de mercado

Talvez uma das maiores causadoras de pedidos de demissão no país é justamente a diferença entre os valores recebidos por outros profissionais da mesma área no mercado e os colaboradores que você contrata.

Salários que são incompatíveis com o mercado podem resultar em um índice de insatisfação alto, levando os funcionários a pedirem demissão em curto prazo.

Ambiente de trabalho hostil

Equipes que não possuem um bom relacionamento estão fadadas ao fracasso, por mais duro que essa afirmação pareça.

Ambientes estressantes e que não dão espaço para o desenvolvimento de relações amigáveis prejudicam não só o desempenho das equipes, mas também a saúde mental dos profissionais.

Brigas, crises de ansiedade e estresse incentivarão os colaboradores a pedir demissão.

A falta de benefícios atrativos

Dependendo do tipo de atividade exercida pelo profissional, os benefícios oferecidos pela empresa podem ser um dos pontos que levarão o funcionário a permanecer ou não na sua empresa.

Benefícios que condizem com a realidade de seus colaboradores e sejam úteis de verdade são ótimos para melhorar a qualidade de vida deles, o que impactará diretamente na qualidade do trabalho exercido.

Poucas oportunidades de crescimento

Um plano de carreira bem construído faz diferença para colaboradores que desejam passar bastante tempo na empresa.

Se dentro da organização não surgem novas oportunidades que aproveitam os talentos internos, os colaboradores acabarão buscando isso em outras empresas.

Relacionamento distante com os gestores

Se para os colaboradores terem algum tipo de feedback ou contato com a gestão da empresa é preciso esperar muito ou há ruídos na comunicação, é provável que as taxas de insatisfação aumentem cedo, o que levará a uma taxa de rotatividade mais alta.

Conflitos com os profissionais responsáveis pela administração da empresa podem trazer à tona situações desagradáveis, que irão impactar no desempenho das equipes.

O mesmo pode ser dito sobre cobranças que são feitas de maneira árdua. As metas já colocam pressão o suficiente em cima dos colaboradores, se os gestores cobram resultados de maneira abusiva, é provável que os profissionais optem por sair da empresa.

Como reduzir a taxa de turnover da minha empresa?

Quando os índices de turnover estão mais altos do que o aceitável, não há jeito: é preciso colocar em prática ações para reduzir a rotatividade dentro da empresa. Os impactos desses números você já viu aqui.

Então, se quer diminuir a taxa de turnover, atente-se aos seguintes pontos:

Melhore a gestão e a relação com seus colaboradores

Começar dizendo que o exemplo deve vir de cima não é exagero. Muitas vezes, alguns dos problemas que já estão enraizados na empresa são frutos do comportamento de alguns dos gestores.

Os colaboradores precisam ter os superiores como uma figura de referência positiva. Quando isso não acontece, o ambiente de trabalho se torna desgastante para todos.

Conversar com os gestores das equipes e desenvolver as outras melhorias que serão descritas aqui juntos é o melhor passo inicial que pode ser dado pela empresa.

Invista no processo seletivo

Nós já citamos a importância de a descrição das vagas serem bem-feitas para que os novos colaboradores não se sintam enganados, mas achamos necessário reforçar esse ponto.

O processo seletivo é o responsável por filtrar não só as habilidades do profissional, mas também por analisar se ele está dentro do perfil esperado pela empresa, já que a identificação com a cultura organizacional irá impactar diretamente no desempenho dele e na construção de uma boa relação com a empresa.

Processos seletivos mais completos e com uma equipe de RH preparada diminuem drasticamente as taxas de rotatividade na empresa.

Engaje e motive seus colaboradores

Se as suas equipes estão felizes com o trabalho que estão realizando e se sentem recompensadas pela atividade, dificilmente a sua empresa terá um ambiente de trabalho desagradável e verá cada vez menos saídas de colaboradores (principalmente dos novos).

Valorize o esforço das equipes, seja com recompensas reais dentro da empresa ou com o reconhecimento do trabalho. Isso mostrará para os colaboradores que a dedicação deles faz a diferença e que, de uma forma ou de outra, eles serão reconhecidos por isso.

Invista no desenvolvimento das equipes

Profissionais querem aprender cada vez mais e desenvolver suas habilidades, isso é natural. Empresas que não oferecem esse tipo de apoio provavelmente não reterão seus colaboradores por muito tempo.

Um dos benefícios que a sua empresa pode oferecer para as equipes são cursos e workshops que os desenvolva em sua carreira. Isso não sai tão caro para a empresa, já que é um investimento na própria equipe e melhorará a qualidade do trabalho executado.

Oferecendo um espaço para que seus colaboradores cresçam, os gestores poderão notar um aumento geral no índice de satisfação das equipes.

Plano de carreira

Colaboradores motivados, com conhecimento e com experiência querem sempre mais – e isso é positivo para a sua empresa.

Ao traçar um plano de carreira e o deixar claro para todos desde o início, seus funcionários saberão até onde podem chegar ao se esforçarem e terão um objetivo claro dentro da empresa.

Enquanto eles crescem como profissionais, a sua empresa contará com equipes cada vez mais qualificadas, o que diminui as chances de os profissionais quererem sair da instituição por falta de oportunidades.

Dê chances para uma jornada de trabalho flexível

A jornada de trabalho não precisa ser diminuída para que se torne flexível.

Dependendo do tipo de atividade que os seus colaboradores executam, verifique se há a possibilidade de executar o trabalho via home office. Isso trará não somente mais qualidade para a vida das equipes, como também pode ser um ótimo gás para a produtividade desses profissionais.

Entendeu como a taxa de turnover pode afetar a sua empresa? Comece a implementar melhorias internas hoje mesmo!

A taxa de rotatividade de uma empresa pode enterrar as chances de ela crescer no mercado. Agora que você já sabe como fazer o cálculo e observar o índice, faça isso periodicamente.

Caso a sua empresa perceba que as taxas estão cada vez maiores e queira diminuí-las, mande uma mensagem para a Electi! Nós somos uma agência especializada em recursos humanos com mais de 17 anos de experiência e podemos te ajudar a aumentar a retenção de profissionais na sua empresa!

Acompanhe a Electi nas redes sociais! Siga os nossos perfis no Facebook, Instagram e LinkedIn e fique por dentro de todas as novidades.

Gostou desse conteúdo? Possui dúvidas ou sugestões de assuntos que deseja ver em nosso blog? Nos envie uma mensagem! Ficaremos extremamente felizes em conversar com você.