Quer conhecer quais são os principais indicadores de recursos humanos? Separamos uma lista com os 15 principais para você acompanhar!

Você é um profissional da área de Recursos Humanos e está estudando quais são as melhores formas para melhorar a qualidade do RH da empresa? Então, conhecer quais são os principais indicadores de RH é um dos primeiros passos para que isso seja feito da maneira correta.

Assim como em outras áreas, saber como trabalhar com esses indicadores é fundamental para que uma boa gestão seja feita. É através dos indicadores que você poderá acompanhar como está a qualidade do trabalho realizado na empresa.

Quando estamos lidando com outras pessoas, é preciso ter mais atenção ainda aos indicadores. Fazer o cruzamento correto dos dados coletados com ações estratégicas para melhorar o ambiente organizacional pode proporcionar para a sua empresa uma melhora como nunca vista antes – e também pode ajudar a recuperar empresas que estão passando por uma fase difícil (e muitas vezes nem fazem ideia dos motivos).

Então, faça suas anotações, pois te mostraremos quais são os indicadores mais importantes para a área de gestão de pessoas!

Navegue e saiba quais são os principais indicadores de RH

indicadores de recursos humanos

Absenteísmo

O índice de absenteísmo é o dado que diz respeito ao número de profissionais ausentes no período de trabalho, seja qual for a razão para isso.

O absenteísmo mostra para o RH a quantidade de horas perdidas por faltas e atrasos que poderiam ser revertidas em horas de produtividade. No entanto, engana-se quem acredita que esse indicador existe apenas para identificar o quanto os colaboradores estão deixando de produzir.

Ele pode revelar para os gestores uma série de problemas, como a insatisfação da equipe com o ambiente de trabalho, remuneração que não motiva, falta de reconhecimento, desgaste físico ou mental dos colaboradores e condições de trabalho pouco favoráveis.

É um índice que deve ser acompanhado de perto e sempre que houver um crescimento significativo, um plano de ação precisa ser elaborado.

Fique atento ao comportamento dos colaboradores que estão se mostrando mais ausentes do que o normal e faça pesquisas internas para entender se outros colaboradores estão sentindo a mesma coisa. Aos poucos, altos níveis de absenteísmo podem abalar toda a estrutura das equipes e comprometer o trabalho como um todo.

O termo “turnover” é uma palavra de origem estrangeira que foi incorporada no vocabulário das equipes de recursos humanos. Pode ser traduzida do inglês como “a virada”. No entanto, seu significado para o RH é algo menos literal: está associado a taxa de rotatividade de colaboradores da empresa. Por rotatividade, nos referimos ao número de contratações e demissões que são feitas sequencialmente em um curto período de tempo.

Diversos são os motivos que podem levar ao crescimento do índice de turnover, como má remuneração, insatisfação com o ambiente de trabalho e até mesmo a falta de infraestrutura. Falaremos deles nos próximos tópicos.

É um conceito que pode ser aplicado de diferentes maneiras: dentro da empresa como um todo ou para calcular a rotatividade de uma equipe dentro da instituição. Uma empresa que não sabe lidar com o crescimento do turnover, seja geral ou nichado, entrará em crise.

Uma coisa que precisa ser deixada clara é que: a retenção de colaboradores é definitivamente mais barata do que continuar contratando novos profissionais com frequência. Os gastos adicionais impactam diretamente no orçamento da empresa e na remuneração de outros colaboradores, o que gera um ciclo que pode culminar em um turnover alto.

Estudar a taxa de rotatividade da empresa deve fazer parte de um processo de gestão proativo e pode resultar em melhorias no negócio.

Turnover

O Turnover também é chamado de taxa de rotatividade de colaboradores.

Esse índice está ligado ao número de contratações que são feitas e as demissões que acontecem logo em seguida, nos casos em que isso acontece em um curto período.

Diferentemente do absenteísmo, que está ligado a colaboradores que já estão estabelecidos na empresa, o turnover diz respeito aos novos colaboradores da equipe. Uma má adaptação ou um processo seletivo não tão eficientes fazem com que os novos membros da empresa voltem atrás em sua contratação. Outros motivos podem influenciar nesse índice, como remuneração abaixo do mercado, ambiente de trabalho tóxico e a falta de identificação com a cultura organizacional.

O turnover é algo que pode se tornar extremamente custoso para uma empresa e pode comprometer a saúde financeira da organização. Identificar os pontos que afastam esses novos colaboradores e corrigir o processo de seleção e de adaptação das equipes deve ser o foco da gestão.

Existem diferentes tipos de turnover: o voluntário, involuntário, o funcional e o disfuncional.

  • No turnover voluntário, a demissão é feita por um pedido do próprio colaborador.
  • No caso do turnover involuntário, quem faz a demissão são os próprios gestores.
  • O turnover funcional diz respeito ao pedido de demissão do próprio colaborador por sentir que a produtividade está baixa, pelo sentimento de frustração e relacionados.
  • Por último, o turnover disfuncional é feito por pedido do colaborador que ainda apresenta um bom rendimento, mas por suas razões decide deixar a empresa.

Em todos os casos, o turnover é danoso para a empresa. Se você quer saber mais sobre como lidar com o turnover, acesse o nosso artigo O que é Turnover? Como diminuir, qual o impacto e indicadores. Nele, nós ensinamos como fazer o cálculo das taxas de turnover e a interpretar quais são os índices aceitáveis para a sua empresa.

Satisfação dos Colaboradores

Como saber se seus colaboradores estão felizes com o ambiente de trabalho e se sentem motivados a continuar executando suas tarefas? Através do índice de satisfação dos colaboradores.

Esse tipo de pesquisa permite entender quais são os pontos que agradam e desagradam as equipes dentro da sua empresa. Faça pesquisas que possam ser mensuradas em números. No entanto, fique atento: esses números precisam ser objetivos e devem ajudar a gestão a identificar os pontos de melhoria.

Adote um sistema que faça uma média do resultado obtido através das perguntas e assim você conseguirá mostrar para a gestão quais são os próximos passos que devem ser dados.

Alguns exemplos de perguntas que podem ser feitas:

  • De 1 a 10, o quanto o ambiente de trabalho é estressante?
  • De 1 a 10, o quanto você se sente realizado na sua função?
  • De 1 a 10, o quão satisfeito você se sente sobre os benefícios oferecidos?
  • De 1 a 10, o quão fácil é o contato com os gestores?

Faça as contas corretas e avalie o que o público interno acha da situação atual da empresa. Se a média dos valores for muito baixa, é hora de aplicar correções.

Indicadores de satisfação que estejam muito abaixo do esperado podem refletir em outros índices, como você poderá acompanhar aqui nesse post.

Retenção de talentos

Mais do que contratar bons colaboradores, é preciso saber como reter esses profissionais dentro da sua empresa. Afinal, se você está investindo no desenvolvimento de um colaborador, é natural que queira que o futuro dele esteja atrelado à empresa.

No entanto, nem todas as organizações pensam assim e acabam pecando nessa parte. Podemos adiantar que sim, reter talentos está diretamente ligado aos investimentos da empresa.

Há uma oferta grande no mercado. Se a sua empresa não oferece boas condições para o profissional executar as atividades dele, não investe no desenvolvimento dele e não o remunera adequadamente, dificilmente ele se sentirá satisfeito o bastante para continuar fazendo parte da equipe e buscará outras oportunidades.

Perder esses talentos impactará de várias formas na sua empresa: primeiro, você perderá todo o investimento feito no desenvolvimento dele. Além da bagagem profissional e intelectual que ele carrega, sua empresa perderá alguém que já conhece os procedimentos internos e tem familiaridade com a rotina das outras equipes. Por fim, se torna difícil manter uma cultura organizacional forte quando os bons colaboradores não permanecem na empresa.

Identifique as oportunidades que a sua empresa tem de reconhecer os bons profissionais e elabora planos para que eles se sintam cada vez mais motivados.

Tempo dentro da empresa

Estudar o tempo médio que os colaboradores passam dentro da empresa é importante para poder fazer o planejamento dos setores e das equipes.

É completamente normal a passagem dos colaboradores respeitar um ciclo de vida dentro da empresa. O ideal é entender como acontece esse ciclo e o que a empresa pode fazer para torná-lo o mais eficiente possível. Ele está diretamente ligado à retenção de talentos.

Se os seus colaboradores passam uma média de poucos meses dentro da empresa (por razões naturais), é interessante bolar estratégias para que esse período se estenda e a sua empresa possa contar por mais tempo com os talentos dele.

Passar pouco tempo dentro de uma organização é ruim para os dois lados. A empresa precisa custear novos processos seletivos e os profissionais precisam estar sempre se adaptando às novas equipes.

Preste atenção aos indicadores de qualidade de trabalho, satisfação de colaboradores e de retenção de talentos.

Vagas fechadas dentro do prazo

Dependendo da área da sua empresa e do porte dela, a oferta de vagas para novos profissionais integrarem a equipe pode ser grande. É um dos indicadores que deve ser observado pelo RH.

Entre as vagas oferecidas, quantas foram preenchidas dentro do prazo estipulado pelos profissionais de recursos humanos? É possível fazer as contas e identificar a porcentagem de vagas preenchidas.

Relacione o número total de vagas oferecidas com as que foram preenchidas no prazo e as que passaram do tempo estipulado.

Para entender a porcentagem de vagas que não foram preenchidas no prazo, você pode dividir o número de vagas preenchidas fora do prazo pelo número total de vagas oferecidos e multiplicar por 100. Se os valores forem altos, é hora de rever o processo de seleção.

Se esse for o caso da Empresa que você trabalha, entre em contato com a Electi! Somos especialistas em facilitar os processos de Recrutamento & Seleção.

Produtividade das equipes

A produtividade é o indicador que mais irá afetar a saúde financeira da empresa, por estar diretamente ligado à entrega dos produtos ou serviços oferecidos.

Ter uma boa produtividade geral irá resultar em menos atrasos e trará um retorno maior sobre os investimentos feitos, o que irá refletir em todas as áreas da empresa.

Para medir a produtividade, meça o quanto cada colaborador produz de receita para a empresa durante o seu período de trabalho e identifique se há maneiras de melhorar isso.

Se os colaboradores estão produzindo pouco, há motivos para tal – e eles podem estar ligados aos fatores de desmotivação, saúde mental, má remuneração e mais.

Se os seus colaboradores conseguem produzir de maneira mais eficaz em pouco tempo, o investimento da empresa valerá mais a pena. Para isso acontecer, o tempo e a qualidade do trabalho precisam estar alinhados.

Gastos com o turnover

Logo no início do texto, nós citamos o impacto que o turnover pode ter na sua empresa. Além de calcular as taxas de turnover, é preciso entender quais são os gastos fixos que a sua empresa tem com os novos processos seletivos.

Some os custos envolvidos na divulgação das vagas, no recrutamento e seleção, na integração dos novos colaboradores e com os impactos causados pela queda na produção após a saída do profissional contratado recentemente.

Além de entender as taxas de rotatividade, você conseguirá fazer com que a empresa se prepare financeiramente para esse tipo de episódio.

Treinamento

O treinamento é um dos fatores mais importantes para o desenvolvimento de uma empresa. Empresas que não fornecem meios para que os seus colaboradores possam se desenvolver apresentarão baixas na produtividade em pouco tempo.

Ao investir em cursos, palestras, workshops e treinamentos para as equipes, você estará apoiando a formação profissional dos colaboradores. Eles poderão aplicar os novos conhecimentos no dia a dia da empresa, que entregará serviços e produtos com mais qualidade ainda.

Após oferecer esses treinamentos, é importante fazer as pesquisas relacionadas à satisfação dos colaboradores em relação aos novos conhecimentos adquiridos. Isso ajudará a entender quais são as necessidades do time e como os investimentos da empresa podem solucioná-las.

Não menos importante, é preciso fazer o cálculo do ROI em Treinamentos. A empresa terá gastos com esses treinamentos. Cruze os dados sobre o quanto os resultados melhoraram após a capacitação das equipes com o investimento feito nesses treinamentos. Se o resultado for positivo, significa que foi um bom investimento.

ROI (Retorno sobre Investimento)

Saber acompanhar os investimentos feitos pela empresa é fundamental para que qualquer organização se mantenha saudável no mercado e não corra riscos.

O ROI é uma sigla adotada por diversos segmentos dentro das empresas para entender o quanto foi ganho em relação ao que foi investido. Isso engloba treinamentos, infraestrutura, contratações, publicidade e mais.

Para se obter o número de ROI, basta subtrair o investimento realizado do retorno obtido, dividir pelo investimento e multiplicar por 100.

Se o ROI estiver baixo, é hora de repensar a estratégia e otimizar os gastos da empresa. Elimine investimentos que não trazem um ganho real para a empresa e redirecione esses gastos para atividades que trazem maiores vantagens competitivas.

Para calcular o ROI na área de RH, leve em consideração todos os gastos com a divulgação de vagas, com o processo seletivo, com os programas de treinamento e integração e com os benefícios oferecidos pela empresa.

Reclamações trabalhistas

As reclamações trabalhistas podem acabar com a reputação de uma empresa. Mais importante do que isso, elas mostram que algo de muito errado está acontecendo dentro do ambiente corporativo.

É importante que o setor de RH acompanhe de perto quais são as principais insatisfações dos colaboradores, evitando que elas se tornem possíveis reclamações trabalhistas. Mais importante do que acompanhar é colocar em prática um plano de ação para resolver as que existem e evitar novas reclamações.

Violar a legislação trabalhista é um problema grave e pode trazer fortes dores de cabeça para a gestão.

Horas extras

As horas extras costumam ser um tema polêmico dentro de qualquer empresa. É um indicador de RH que deve ser acompanhado com atenção especial, pois pode estar mascarando falhas no quadro de colaboradores que precisam ser resolvidas.

O tempo gasto em horas extras não deve ser uma realidade recorrente dentro da sua empresa, pois significa que bancos de horas maiores serão gerados, folgas precisarão ser dadas e mais importante ainda: que as equipes não estão dando conta de entregar tudo o que precisam dentro do tempo estipulado.

Isso pode ocorrer por conta de uma demanda mais alta do que o normal, por falta de pessoal suficiente, por prazos curtos ou outros motivos. Independentemente de qual seja a razão, muitas horas extras significam sobrecarga.

Rever quais são as tarefas delegadas a cada equipe, como está a situação de cada time e os prazos é fundamental para entender se as horas extras geradas não são consequências de um mal planejamento de RH.

Atenção ao controle de ponto pode ajudar os gestores de recursos humanos a compreender os motivos das horas extras geradas.

Remuneração

Os pagamentos são sim indicadores relevantes para a área de recursos humanos, pois podem impactar diretamente na satisfação dos colaboradores.

Se a média das folhas de pagamento está abaixo do padrão do mercado, os funcionários se sentirão menos dispostos e motivados a exercer as atividades das quais eles são responsáveis.

Quando os valores estão muito abaixo do mercado, novas demissões podem surgir com mais frequência. Compreender as questões relacionadas aos dados de pagamento podem revelar que a situação financeira da empresa não está muito legal também.

Custos com Benefícios

Assim como a preocupação com a folha de pagamento deve existir, é importante dar uma atenção especial aos benefícios concedidos pela empresa.

Entender quais são os benefícios que fazem sentido para o público interno da empresa é o primeiro passo para poder aplicar uma mudança que seja benéfica tanto para a empresa quanto para os colaboradores.

Além dos benefícios concedidos individualmente, é preciso levar em consideração os programas de treinamento, as bonificações e os outros valores (monetários ou não) que são entregues às equipes.

Se mesmo com bons benefícios a produtividade geral dos times continuar baixa, é preciso analisar quais investimentos precisam ser realocados para que essa produtividade melhore (como vocês viram nos tópicos acima).

Clima Organizacional

Não menos importante do que os outros indicadores de RH citados nesse artigo, chegamos ao clima organizacional.

Mais do que afetar a produtividade, o clima organizacional está diretamente ligado à imagem que a empresa possui, aos valores nutridos pelos colaboradores e pelas relações que serão desenvolvidas dentro dela.

Se o clima organizacional não é bom, os níveis de estresse podem crescer e o ambiente de trabalho irá se tornar cada vez mais tóxico, afetando a produtividade dos colaboradores, o nível de satisfação e a saúde mental deles.

Imagine que os colaboradores que optem por sair da sua empresa comecem a falar mal dela por conta do clima organizacional. É um cenário que não é nada bom, certo?

As pesquisas de satisfação são importantes para a medição do clima organizacional. Com a análise do clima organizacional feita, cabe ao time de RH aplicar as melhorias nos pontos fracos da empresa.

Anotou todas os indicadores de RH? Esperamos que a gestão de recursos humanos da sua empresa consiga colocar melhorias em prática!

São muitos indicadores de RH para se acompanhar, não é mesmo? É justamente por isso que esse trabalho deve ser feito constantemente. Além de melhorar os resultados obtidos e o clima organizacional, um acompanhamento mais proativo pode evitar erros futuros.

Analise os pontos que citamos aqui e aplique as correções necessárias! Se a sua empresa não possuir um setor de RH estruturado e precisa de ajuda com esses indicadores, venha conversar com a Electi! Nós somos uma agência especialista em recursos humanos e possuímos mais de 17 anos de experiência. Juntos, podemos transformar o clima organizacional da sua empresa e ajudar as equipes a conseguir os melhores resultados.

Acompanhe a Electi nas redes sociais! Siga os nossos perfis no Facebook, Instagram e LinkedIn e fique por dentro de todas as novidades.

Gostou desse conteúdo? Possui dúvidas ou sugestões de assuntos que deseja ver em nosso blog? Nos envie uma mensagem! Ficaremos extremamente felizes em conversar com você.